Parkinson

Neurologistas da Rush University Medical Center revelaram que o nosso principio ativo pode reverter as mudanças biomecânica, celular e anatômica provocadas pela doença de Parkinson (DP). O resultado foi observado em cérebros de ratos portadores da doença. O estudo concluiu que após ingestão oral do principio ativo, ela foi metabolizada no fígado e transformada em benzoato de sódio. O benzoato vai para o cérebro, protegendo os neurônios, normalizando os níveis de neurotransmissores, e melhorando as funções motoras nos ratos com DP.

O Parkinson ocorre por conta de uma degeneração progressiva de neurônios numa área cerebral chamada de substância nigra. A degeneração dessas células leva a uma redução do neurotransmissor dopamina, e a depleção do mesmo resulta nos sinais clássicos da doença. Até hoje não se sabe o que de fato provoca a morte desses neurônios. A hipótese mais difundida é que ocorre um “estresse oxidativo”, o que faz com que as células liberem moléculas venenosas que provocam a própria morte. No cérebro, o benzoato de sódio atua como um antioxidante. Por isso, o uso do ClinSbelty parece ser tão promissor para o tratamento da doença de Parkinson.